Se quiser participar neste BLOG, envie a sua mensagem para o seguinte endereço electrónico: mouriscas.movimento@sapo.pt - - - - - - - - - - - - - - Para nos consultar: http//mouriscasmovimento.blogs.sapo.pt
Sexta-feira, 19 de Março de 2010
M O U R I S C A S !

                  O CIDADÃO, AS SUAS METAS E O SEU ALCANCE

 (texto publicado no jornal Nova Aliança, de 5/3/2010)                                                                  

 

 

 

Povo social e culturalmente diversificado nas áreas de, bagagem educativa, confronto á lei da sobrevivência e eleição do modo de vida segundo as suas preferências pessoais, está hoje muito repartido não só nessas mesmas áreas como também nas localidades geográficas em que habita, funções que desempenha, e suas convicções pessoais, em especial de cariz social. Tudo perfeitamente correcto, necessariamente aceitável, e mais que compreensível perante a Sociedade Adulta em que vivemos, já um pouco entrada no século XXI.

No entanto, na sua generalidade, mais ou menos tocados e tantas vezes acentuadamente atingidos pela, vida, futuro e destino da sua Terra Natal, dos seus familiares, amigos e conterrâneos, e de todo o património material, social e cultural que herdámos daqueles que nos antecederam, situação aliás em que a ausência de sensibilidade a tais considerandos não é muito frequente entre os quantos de alguma forma estão ligados a Mouriscas, evidentemente cada qual a seu modo.  

Entretanto, os caprichos do destino, o decorrer da vida umas vezes de modo natural outras talvez acidental, e outras ainda consequência das nossas próprias insuficiências pessoais, nem sempre nos trazem o confortável equilíbrio de necessidades e soluções que desejamos e entrando-se deste modo na tentativa de identificar e resolver os males que nos atingem, estes, mais propriamente falando, resumindo-se a termos caído na situação de interiorização geográfica enfermando pelo empobrecimento de meios humanos e materiais, ausência de auto-suficiência em meios de sobrevivência, desmotivação, abandono, degradação e confusão em torno de como interagem as origens de tudo isso, e, como íamos dizendo, tentando-se identificar essas origens cada um a seu modo, mas quase invariavelmente caindo-se na tentação de endereçar tais responsabilidades para a área alheia, uns dirigindo-as para o Município, outros para o Governo, Autarquia Local, partidos, sistema político, repartição dos investimentos, condicionantes sociais, rivalidades, etc., enfim tudo o que seja o alheio, e naturalmente com uma tirada de oratória a acompanhar até cheira a altruísmo.

 

Só que o erro fatal da situação tem sido exactamente esse, na medida em que pretender um desenvolvimento em Mouriscas apenas com críticas e sem o envolvimento primário dos Mourisquenses nesse mesmo desenvolvimento é pura utopia. E porque haviam os outros de se preocupar com os nossos males quando nós próprios não o fazemos? Naturalmente será efectivamente verdade que as Instituições Oficiais alguma coisa poderão fazer pela situação mas se não forem os Mourisquenses a dar os primeiros passos será um sonho de infância a diluir-se no horizonte das nossas utopias.

 

Desçamos de novo ao fundo da questão. – Quem em Mouriscas dispõe de condições para mais decisivamente fazer algo pela situação, são:

 

-          As Instituições Locais mais ou menos vocacionadas para tal, começando pela Autarquia.

 

-          Os conterrâneos social e economicamente em situação que em maior ou menor grau lho permitam.

 

-          Os intelectuais filhos da Terra que, pela sorte, esforço, mérito ou destino conseguiram essa craveira educativa.

 

                                         ... / ...

... / ...

 

E o que é que na realidade se passa?

 

           Por alguma razão, seja ela qual for, e sem esquecer o quanto alguns Mourisquenses tem dado de si para ultrapassar situações criticas da sua Terra, para esta delicada situação de confronto á via desenvolvimentista ninguém está receptivo a faze-lo, ninguém está disponível para tal, de um modo geral todos tem a sua vida que lhes dá que fazer, todavia mesmo assim invocando os sagrados direitos do cidadão, a necessidade de os contemplar e as obrigações irrejeitáveis de quem de direito para as satisfazer. As excepções a esta regra são em número insuficiente para ultrapassar tal busílis, na medida em que não é coisa que se consiga com três ou quatro despretensiosos voluntários, e ainda menos quando não são heróis nem magnatas da finança. São invocados milhentos pretextos que apenas tem o mérito de os afastar daquilo que é fundamental e decisivo para o futuro e os destinos de um Povo e um Território que é afinal aquele em que vivemos.

 

Chegado aqui verificamos encontrarmo-nos perante a fatalidade de estar em Terra de Ninguém, e dissertar longamente pelo vasto leque de explicações á volta de tão delicado problema é tempo perdido. 

 

                                                                                                       B. Sério

 



publicado por mouriscasmovimento às 10:48
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

MOURISQUENSES ADOPTIVOS...

M O U R I S C A S ! ...

MOURISCAS COM ROCK INTERN...

...

Mensagens dos leitores (5...

Mensagens dos leitores (5...

MOURISCAS NA ROTA DO SEU ...

No próximo domingo...

Mensagens dos leitores (5...

Mensagens dos leitores (5...

arquivos

Outubro 2011

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Agosto 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds